SEO, embalagens, micro-moments e consumo

Ainda temos muito o que aprender sobre SEO

Na semana passada, vivi uma experiência que inspirou este post. A caminho de um compromisso, passei por uma farmácia e lembrei que precisava de um protetor solar facial. Entrei na loja e fui direto para o setor dermatológico. Bati o olho nas marcas e tive muitas dúvidas.

Como não havia feito uma pesquisa prévia, dediquei um tempo considerável lendo as embalagens. Não sou profunda conhecedora do design de embalagens, mas fato é que muitas não apresentavam, de forma direta e clara, o produto nem público ao qual ele se destinava.

Para a Associação Brasileira de Embalagens (ABRE), a função das embalagens não se restringe à venda dos produtos, mas serve também para informar, educar e deve fisgar o consumidor de forma criativa e inteligente. Segundo a entidade, uma embalagem tem apenas três segundos para atrair o consumidor e, se for bem-sucedida, tem 85% de chance de compra.

Pois bem, poucas marcas expostas naquela farmácia continham as informações específicas que eu procurava. Impaciente, passei a mão no smartphone e fui para o Google, achando que meu problema seria resolvido.

 

O que o SEO tem a ver com embalagens?

Ao pesquisar pelas palavras-chave necessárias, encontrei poucas referências interessantes na primeira página, o que me forçou a navegar pelo ranking.

 

[Pausa]

Nove em cada dez pessoas conectadas pesquisam sobre os produtos/serviços na Internet para tomar suas decisões. Veja aqui pesquisa do Boston Consulting Group sobre o tema. Outro estudo interessante, realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), revela que 49% das pessoas que usam apps fazem comparação de preços antes de comprar em uma loja online.

Desde 2015, o Google vem alertando os profissionais de conteúdo e os que lidam diretamente com os produtos (no design, marketing, trade etc.) sobre o fenômeno do Micro-moments, sua influência na vida do consumidor e como incorporá-los ao seu trabalho.

 

[Voltando ao SEO]

Diante da profusão de informação na rede, um dos mantras repetidos pelos especialistas em digital para alavancar as vendas é: incorpore as técnicas de SEO (Search Engine Optimization) nos conteúdos produzidos sobre os produtos/serviços nas plataformas de e-commerce e outros canais (sites, revistas e blogs especializados, além de portais de notícia). É meio caminho andado para se conseguir uma boa posição nos motores de busca.

Assim, é preciso taguear todo conteúdo (texto e imagens), criar bons títulos, subtítulos, descrições e outros macetes como pesquisar as palavras-chave e suas associações para que este conteúdo seja relevante e responda as perguntas das pessoas. Trabalho minucioso, disciplinar e estratégico que gera resultados em médio/longo prazo.

 

Mas você comprou?

Sim. No fim das contas, acabei comprando o único produto cuja embalagem continha a maioria das informações de que precisava: fator de proteção, indicação para tipo de pele e uso (corpo ou face). Os resultados iniciais no Google não me ajudaram naquele micro-moment.

Portanto, é preciso pensar em embalagens e conteúdos como produtos expostos numa gôndola, cujas informações e design determinam se serão ignorados, atraentes, lidos e/ou comprados. Tudo isso acontece em frações de segundos e cliques. E o trabalho de parte dos profissionais de comunicação é pensar em como expor eficientemente as coisas e facilitar a vida das pessoas, caso contrário, todo esforço pode ser em vão.

Em tempos de crise econômica, desperdiçar tempo e trabalho é muito ruim, né não?

Gostou do post? Compartilhe com sua rede!

Sugestões? Críticas? Comente! 😉

Anúncios

Movies on demand no aconchego do lar

Até ontem o Google Play funcionou para mim como uma loja de apps. Ponto. Nunca consumi outros produtos por lá. Cliente da Netflix há cerca de três anos, acabei me acostumando com este ambiente. No entanto sabemos que, afora suas próprias produções e séries, o Netflix é bastante restrito quando o assunto são os lançamentos.

Desde julho estava com Mãe só há uma na cabeça. O buzz na rede e os lambes nas ruas do centro de São Paulo me despertaram esse desejo. Além disso, amo o trabalho da excepcional roteirista e diretora Anna Muylaert. Queria muito ter visto no cinema, não deu.

Por curiosidade, busquei o nome do filme do Google Play e bingo! Feliz, feliz, cumpri dois passos de cliques e voilá! Com R$ 6,90 debitados no crédito, passei bem meu sábado me deliciando com esta obra prima.

Passada a euforia da experiência, me peguei pensando: “nem todo mundo tem acesso aos dispositivos, internet, banda larga, cartão de crédito…”. Verdade. Ainda assim, precisamos assumir que este serviço é uma alternativa contra a enfadonha programação das TVs abertas, assim como uma solução mais barata do que o ingresso no cinema.

Alguém dirá que a experiência sensorial no cinema é diferente. Concordo. Mas, às vezes, movies on demand no aconchego do lar também pode ser bem legal.

Mais sobre esta lindeza de filme: https://www.facebook.com/maesohauma/
#maesohauma