Vivemos em uma cidade digital?

O que vem à mente quando você ouve a expressão: cidade digital?

Uma cidade digital resulta da relação frutífera entre tecnologia, indivíduos, empresas e governos. Nela, desenvolvem-se projetos e experiências que deveriam: democratizar o acesso à tecnologia e à informação; facilitar a vida dos cidadãos e seu acesso aos serviços públicos; otimizar os gastos dos recursos públicos; diminuir a burocracia; inspirar a criação de políticas públicas mais eficientes, garantir a transparência na administração pública etc.

Em que pé estaria nosso Brasil neste contexto? Confesso que não tenho conhecimento suficiente para fazer esta análise, mas sabe-se que ocupamos a 72ª posição no ranking no Global Information Technology Report (2016) do Fórum Econômico Mundial.

Infelizmente, a gente pode sentir este atraso nas situações mais ordinárias do nosso cotidiano. Veja minha experiência que inspirou esta lamúria.

Caí na roubada de esquecer de pagar o IPTU de 2018. No início do mês, recebi da Prefeitura de São Paulo o bendito boleto, que ficou rodando como feno pela casa. Tomei vergonha ontem e decidi pagar, mas… a saga foi grande.

Dia 1

  • Tentei pagar no app do banco, mas foi notificada que a operação não era possível, pois a data tinha vencido. O feedback do app dizia: “vá ao caixa na agência”.
  • Saquei o $, fui até minha agência, enfrentei fila, quando cheguei na atendente fui informada de que só poderia pagá-lo em bancos públicos, e aquele não era o caso.
  • Fui ao primeiro banco público, enfrentei fila e o “sistema” caiu.
  • Fui ao segundo banco público, não tinha fila, mas fui informada que o IPTU de São Paulo agora só se paga diretamente no caixa eletrônico porque a Prefeitura acabou com os convênios com os bancos para este tipo de transação, mas…, para isso, precisaria emitir a 2ª via do documento pela internet.
  • Voltei para casa, entrei no site da Prefeitura e, para emitir a 2ª via, precisei preencher um cadastro e criar uma senha. Mas… a senha é bloqueada e só é liberada se você vai a uma unidade da Prefeitura.

Dia 2

  • Fui à subprefeitura, peguei outra senha, fui no guichê, desbloqueei a senha, os atendentes emitiram a tal 2ª via, mas não no valor total como que eu queria, mas em 10 vezes, porque o sistema inteligente deles só “permite” assim.
  • Fui na Caixa Econômica Federal, o único banco público que recebe o pagamento do IPTU após o vencimento por aqui. Paguei o troço e me livrei. Ufa!

Daí eu pergunto: Por que, em 2018, a cidade dita a mais bem desenvolvida do país impõem aos cidadãos tanta burocracia? Por que tanta desinformação? Por que não podemos acessar os serviços públicos de uma maneira fácil e rápida? Quanto dinheiro e tempo se gasta com este tipo de gestão? Aliás, nosso dinheiro (leia-se: impostos) está sendo aplicado em projetos que realmente tornem as cidades digitais?

Recentemente, a jornalista Juliana Carpanez publicou uma reportagem no UOL em que narra como a Estônia, na região báltica da Europa, vem explorando inteligentemente a tecnologia para melhorar a vida de sua população e incrementar as ações governamentais, tornando-se, assim, um país digital, que ocupa a 22ª posição no tal ranking do Fórum. Por lá, 99% dos serviços públicos estão disponíveis online, quase 98% das pessoas têm um único documento e cartão digital, que integra suas vidas on e off-line. Com ele, elas podem: fechar contratos, realizar transações bancárias, acessar o histórico médico, pagar taxas, votar. Quantos anos demoraremos para chegar lá?

PS:

  1. A propósito, sobre o conceito Cidade Digital, sugiro a leitura das obras do professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), André Lemos.
  2. A foto da vista da Bela Vista (SP) foi tirada do Edifício Copan por Júlio Boaro.

Gostou deste artigo? Compartilhe e assine o blog. 😉

Anúncios

4ª Revolução Industrial: que futuro teremos?

Nossa relação com a tecnologia é histórica.

Pensadores como o filósofo italiano Umberto Galimberti1 defendem que, sem a tecnologia, não teríamos sobrevivido à magnitude da natureza, pois teria sido graças à tecnologia que pudemos caçar, nos abrigar, vestir, deslocar pelo território.

Na linha do tempo desta relação, o intervalo entre as inovações disruptivas tem sido cada vez mais curto. As transformações que vivemos são tão velozes que temos a sensação de que não conseguimos acompanha-la.

Tal angústia resulta de um fato: o avanço tecnológico é incontornável.

A questão é que chegamos a um patamar em que desenvolvemos tecnologias com características inéditas como a autonomia, a capacidade de processamento de dados inalcançável para os humanos e a compatibilidade biológica.

Inteligência Artificial, Machine Learning, Deep Learning, Impressoras 3D de materiais biosintéticos não são mais ficção, mas realidades.

As consequências desta Transformação Digital são imprevisíveis, no entanto, para compreendermos minimamente o que já está ocorrendo, precisamos observar atentamente os debates, experimentos, acordos e transações internacionais, seja no âmbito político, econômico ou científico.

Por este motivo, escrevo este artigo para indicar a leitura de A quarta revolução industrial de Klaus Schwab, fundador do Fórum Econômico Mundial que, coincidentemente, ocorre agora em Davos (Suíça).

No livro, Schwab apresenta reflexões e análises próprias e de integrantes do Fórum sobre as inovações tecnológicas surgidas com a digitalização, assim como seus impactos na sociedade.

Entre os impactos negativos, aqueles que causam mais preocupação são: a exclusão digital, a extinção de profissões, o desemprego (que certamente afetará mais as mulheres), as diásporas, os conflitos sociais etc.

Entre os positivos estão: a inclusão digital, a democratização da informação, a criação de novos modelos de negócio e de soluções colaborativas para problemas históricos no campo da alimentação, moradia, saúde, mobilidade, meio ambiente etc.

Entre os desafios estão: a criação de novas habilidades profissionais e de novos modelos de gestão empresarial, a garantia da equidade de gênero etc.

O livro não traz respostas sobre “que futuro teremos”, mas sua leitura é fundamental, pois nos faz refletir sobre “que futuro queremos”.

Acredito que será respondendo a esta pergunta que conseguiremos pensar e desenvolver tecnologias mais responsáveis socialmente.

Gostou deste artigo? Compartilhe! 😉

1) Galimberti, Umberto. Psiche e téchne: o homem na idade da técnica. Tradução José Maria de Almeida. – São Paulo: Paulus, 2006.

 

Email Marketing só vende se…

Meu notebook está em fase terminal. Cansado, liga quando quer, desliga quando quer também, faz tudo se arrastando. Dia sim, dia não, penso em comprar outro, faço pesquisas, comparo preços e vou protelando sua morte.

Hoje recebi um email de uma grande empresa de tecnologia, informática e eletrodomésticos cujo subject promocional para notes me chamou a atenção. Trazia frases de efeito, design natalino e palavras do tipo: “surpreendente”, “imperdível”, “mágico”.

Cliquei em vários pontos da campanha e nada… a coisa era, na verdade, um puzzle de jpgs. que não me levaram a lugar algum.

No rodapé, voilá, uma esperança: um link me levou para onde? Para onde? Para um localizador de lojas físicas! Really? 🙄

Querides colegas de conteúdo, hoje, quem quer saber onde fica uma loja, pesquisa no Google Maps, não precisa de um email marketing para isso…

O email marketing só vende se contiver informações relevantes e prévias sobre o produto e/ou serviço que a empresa oferece.

Se estamos falando de notebooks, por que não expor alguma funcionalidade ou diferencial de um lançamento ou de uma linha? Por que uma campanha com um único link no rodapé? Por que não direcionar o consumidor para um ambiente com os produtos anunciados no subject? Por que criar uma experiência chatíssima para a pessoa, obrigando-a a clicar inúmeras vezes nos ambientes até ela chegar onde quer?

A decisão por uma compra tem etapas. Na primeira delas, as pessoas querem saber das qualidades de um produto, depois elas vão pesquisar onde e como comprar, se na Internet ou numa loja física. A lógica é simples.

Para se ter um email marketing efetivo é preciso estudar, compreender e trabalhar de acordo com a experiência digital do consumidor.

Depois não adianta reclamar que as métricas estão ruins e que aquela “maravilhosa” campanha foi parar na minha caixa de spam.

 

Net-ativismo: redes digitais e participação

As ruas estão silenciosas. Por mais atenta que esteja, confesso que não consigo decifrar os porquês. Ainda que tudo ao redor seja revoltante, indigno e assombrosamente criminoso no âmbito político. Nas redes até pipocam campanhas ali e aqui, mas nas ruas nos calamos. Hoje, somente movimentos organizados em torno dos direitos à moradia, às terras e dos direitos indígenas tentam, sem visibilidade midiática, lutar contra o que aí está.

Observação:

As gritas e censuras contra exposições e atividades artísticas e culturais não são movimento social nem “liberdade de expressão”…, mas excreção daquilo que pior existe nas sociedades.

Portanto:

O cenário atual é bastante distinto daqueles que vivemos em 2013, 2014, 2015 e 2016. Nada das “massas” com propósitos sociais.

Desde a Primavera Árabe (2010, sim já faz tudo isso), pesquisadores de todo mundo empenham-se em entender o impacto da tecnologia digital e das redes sociais na conformação sociocultural e nas estruturas político-econômicas de diversos países.

A primavera brasileira arrefeceu, esquentou de novo, se polarizou, e, neste momento, inexiste. Estou curiosa para saber o que acontecerá até outubro de 2018…

Para entender o presente e o futuro, é necessário recuperar o passado, esmiúça-lo, observar suas controvérsias, atores e atrizes, propósitos, conexões e práticas.

Em 2013, tive o prazer de participar do I Congresso Internacional de Netativismo, organizado pelo Centro Internacional de Pesquisa Atopos, cujas principais reflexões acabam de ser publicadas no livro Net-ativismo: redes digitais e novas práticas de participação, organizado por Massimo Di Felice, Eliete Pereira e Erick Roza, e distribuído pela Papirus Editora.

netativismo-redes digitais-participação-rackeando

A obra conta com artigos de pesquisadores da Argélia, Brasil, Colômbia, Egito, França, Itália, Líbia, México, Portugal e Tunísia, entre eles Lucia Santaella, Michel Maffesoli, Pierre Lévy e Stéphane Hugon. Cada qual à sua maneira faz amarrações teóricas e empíricas sobre como as redes sociais impactam a participação social e a política, em seus respectivos países.

Meu artigo, escrito em parceria com o amigo Erick Roza, recupera o emblemático movimento das Marchas das Vadias no Brasil, que luta pelos direitos das mulheres e pelo fim da cultura do estupro. Uma coletiva, nascida no Canadá, nas redes, espraiada pelas ruas do mundo, e caracterizada pela descentralização e apartidarismo.

Para aquelxs que se interessam pelo tema, boa leitura!

Vídeo: o futuro do mundo digital?

O vídeo é o futuro do digital. A sentença tem sido polinizada pelos especialistas e profissionais deste “novo” mundo. Outro dia, participava de um curso sobre redes quando o assunto surgiu.

Os companheiros da sala ensaiaram muitas respostas para o fenômeno: “nosso tempo está curto demais e as pessoas preferem os vídeos”; “queremos o vídeo por praticidade”; “isso só acontece porque somos impacientes”; “ninguém lê mais nada, querem [os outros] vídeo porque são preguiçosos”; “as pessoas não sabem mais escrever, escrevem garranchos por causa disso” etc. Compreendo o burburinho em torno do tema, mas peço licença para ponderar algumas controvérsias sobre ele.

Na virada do século, a conexão à Internet era restritiva em termos de banda e acesso aos dispositivos. Éramos apenas 414 milhões de conectados. Nestas quase duas décadas, o exponencial desenvolvimento tecnológico permitiu que meio mundo se conectasse. Com as mudanças nas formas e velocidade de transmissão de dados, hoje podemos acessar conteúdo em diferentes formatos.

(Parênteses)

Particularmente, acho ótimo que não tenhamos parado no tempo do teclado e do “jogo da cobrinha” no Nokia 3310.

(Fecha Parênteses)

Portanto, não é à toa que os vídeos se tornaram a mina de ouro dos produtores de conteúdo, sejam empresas, coletivos ou indivíduos. Vivemos um processo até que os vídeos fossem produzidos e consumidos por milhares de pessoas. Esta experiência tem gerando uma receita até pouco inexplorada.

O e-Marketer prevê que, nos EUA, os investimentos em produção de vídeo digital cheguem a US $ 22,18 bilhões, em 2021. Os gigantes da tecnologia e redes sociais brigam loucamente para abocanhar esta audiência e mercado.

Mas a discussão em torno do tema não é só mercadológica. Não podemos ignorar outros pontos fundamentais desta história: linguagem e percepção.

O filósofo tcheco-brasileiro, Vilém Flusser, afirmava que as imagens tradicionais (pinturas) teriam a função de traduzir o mundo, imaginado sob uma concepção cosmológica, período este que denomina de idolatria.

Na sequência, a escrita assumiria a função de explicar o mundo concreto. No entanto, para o autor, o texto seria incapaz de codificar conceitos mais abstratos, façanha possível somente por meio das imagens. Além disso, a escrita teria se perdido no que chama de textolatria, pois era hermética, de acesso restrito aos letrados e detentores de poder.

Segundo o filósofo, a evolução tecnológica, mais precisamente a câmera fotográfica, teria nos “libertado” da mortífera textolatria, pois inauguraria um “código geral para reunificar a cultura”:

(…) a invenção do aparelho fotográfico é o ponto a partir do qual a existência humana vai abandonando a estrutura do deslizamento linear, próprio dos textos, para assumir a estrutura de saltear quântico, próprio dos aparelhos. O aparelho fotográfico, enquanto protótipo, é o patriarca de todos os aparelhos. Portanto, o aparelho fotográfico é a fonte da robotização da vida em todos os seus pensamentos, desejos e sentimentos. (2002, p. 67)

Surgiriam, portanto, as tecnoimagens, imagens em movimento que, reproduzidas e distribuídas, compartilhariam conhecimento e cultura em uma sociedade não mais estritamente definida pelas instituições. Flusser previu que “as imagens técnicas concentrarão os interesses existenciais dos homens futuros” (2008, p.14).

Deste modo, teríamos diante de nós duas possibilidades: um rumo “programado” pela tecnologia ou construído de forma co-criativa entre usuários e seus programadores. Salientando que as imagens não representariam coisas, mas projetariam sentidos:

As imagens técnicas não são espelhos, mas projetores: projetam sentido sobre superfícies, e tais projeções devem constituir-se em projetos vitais para os seus espectadores. A gente deve seguir os projetos. Destarte surge estrutura social nova, a da “sociedade informática”, a qual ordena as pessoas em torno das imagens. Essa nova estrutura exige novo enfoque sociológico e novos critérios. A sociologia “clássica” enfoca o homem, com suas necessidades, desejos, sentimentos e conhecimentos, como o ponto de partida das análises da sociedade. A sociologia futura partirá da imagem técnica e do projeto dela imanente. (FLUSSER, 2008, p.55)

Todo engajamento político futuro deve necessariamente assumir tal tipo de visão, desviando o olhar do homem para o gadget. Todo engajamento futuro, se quiser ser “humano”, deve deixar de ser antropocêntrico e “humanista”, no significado antigo do termo. (FLUSSER, 2008, p.67, grifo do autor)

Flusser faleceu em 1991, no início da popularização da Internet. De lá para cá, muita coisa mudou.

  • Qualquer pessoa com um smartphone pode produzir e compartilhar imagens e vídeos.
  • Em 2015, cerca de 300 bilhões de fotos foram compartilhadas no Snap, 255 bilhões no WhatsApp, 128 bilhões postadas no Facebook, 31 bilhões no Instagram, 24 bilhões de selfies foram registradas no aplicativo de foto do Google.
  • As “instituições” midiáticas disputam narrativas, espaço e dinheiro com Influenciadores Digitais.
  • O tráfego da Internet beira 4 bilhões de gigabytes/dia.
  • 5,5 bilhões de vídeos são assistidos por dia no YouTube
  • Em 2019, 80% do consumo global da Internet será em vídeo.

O cara era filósofo, não a Melisandre, mas aparentemente sua obra é preditiva.

Nossa experiência perceptiva altera-se a cada novo movimento tecnológico e, evidentemente, não é orientada pelo texto, mas pelas imagens.

Podemos até discutir o conteúdo destas imagens, assim como discutimos o conteúdo de um telejornal, de uma novela, de um programa matinal etc., mas isso é outra história…

Se estamos dispostos e gostamos de assistir vídeos, definitivamente, não é porque somos “preguiçosos”, mas porque a linguagem e experiência imagética nos projetam no mundo.

 

Referências:

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

FLUSSER, Vilém. O universo das imagens técnicas: elogio da superficialidade. São Paulo: Annablume, 2008.

SEO, embalagens, micro-moments e consumo

Ainda temos muito o que aprender sobre SEO

Na semana passada, vivi uma experiência que inspirou este post. A caminho de um compromisso, passei por uma farmácia e lembrei que precisava de um protetor solar facial. Entrei na loja e fui direto para o setor dermatológico. Bati o olho nas marcas e tive muitas dúvidas.

Como não havia feito uma pesquisa prévia, dediquei um tempo considerável lendo as embalagens. Não sou profunda conhecedora do design de embalagens, mas fato é que muitas não apresentavam, de forma direta e clara, o produto nem público ao qual ele se destinava.

Para a Associação Brasileira de Embalagens (ABRE), a função das embalagens não se restringe à venda dos produtos, mas serve também para informar, educar e deve fisgar o consumidor de forma criativa e inteligente. Segundo a entidade, uma embalagem tem apenas três segundos para atrair o consumidor e, se for bem-sucedida, tem 85% de chance de compra.

Pois bem, poucas marcas expostas naquela farmácia continham as informações específicas que eu procurava. Impaciente, passei a mão no smartphone e fui para o Google, achando que meu problema seria resolvido.

 

O que o SEO tem a ver com embalagens?

Ao pesquisar pelas palavras-chave necessárias, encontrei poucas referências interessantes na primeira página, o que me forçou a navegar pelo ranking.

 

[Pausa]

Nove em cada dez pessoas conectadas pesquisam sobre os produtos/serviços na Internet para tomar suas decisões. Veja aqui pesquisa do Boston Consulting Group sobre o tema. Outro estudo interessante, realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), revela que 49% das pessoas que usam apps fazem comparação de preços antes de comprar em uma loja online.

Desde 2015, o Google vem alertando os profissionais de conteúdo e os que lidam diretamente com os produtos (no design, marketing, trade etc.) sobre o fenômeno do Micro-moments, sua influência na vida do consumidor e como incorporá-los ao seu trabalho.

 

[Voltando ao SEO]

Diante da profusão de informação na rede, um dos mantras repetidos pelos especialistas em digital para alavancar as vendas é: incorpore as técnicas de SEO (Search Engine Optimization) nos conteúdos produzidos sobre os produtos/serviços nas plataformas de e-commerce e outros canais (sites, revistas e blogs especializados, além de portais de notícia). É meio caminho andado para se conseguir uma boa posição nos motores de busca.

Assim, é preciso taguear todo conteúdo (texto e imagens), criar bons títulos, subtítulos, descrições e outros macetes como pesquisar as palavras-chave e suas associações para que este conteúdo seja relevante e responda as perguntas das pessoas. Trabalho minucioso, disciplinar e estratégico que gera resultados em médio/longo prazo.

 

Mas você comprou?

Sim. No fim das contas, acabei comprando o único produto cuja embalagem continha a maioria das informações de que precisava: fator de proteção, indicação para tipo de pele e uso (corpo ou face). Os resultados iniciais no Google não me ajudaram naquele micro-moment.

Portanto, é preciso pensar em embalagens e conteúdos como produtos expostos numa gôndola, cujas informações e design determinam se serão ignorados, atraentes, lidos e/ou comprados. Tudo isso acontece em frações de segundos e cliques. E o trabalho de parte dos profissionais de comunicação é pensar em como expor eficientemente as coisas e facilitar a vida das pessoas, caso contrário, todo esforço pode ser em vão.

Em tempos de crise econômica, desperdiçar tempo e trabalho é muito ruim, né não?

Gostou do post? Compartilhe com sua rede!

Sugestões? Críticas? Comente! 😉

Snapcine: o Netflix brasileiro.

Neste mês, a Netflix anunciou a marca de 104 milhões de assinantes em 190 países. Em apenas 20 anos de história, a plataforma conseguiu superar o número de assinantes das operadoras de TV a cabo nos EUA.

O domínio da Netflix vem incomodando entidades do setor audiovisual que a acusam de concorrência desleal e de afastar as pessoas das salas de cinema que, tradicionalmente, lançam as produções. Uma briga que esquentou quando produções da Netflix foram indicadas para o Cannes deste ano. No Brasil, por exemplo, a Ancine quer regulamentar a distribuição de vídeos on demand (VoD).

Enquanto esta trama não se desenrola, a popularização do acesso à Internet e aos dispositivos (smart TVs, smartphones, tablets) aumenta o consumo de filmes e séries por streaming. De olho neste mercado, grandes empresas de mídia e entretenimento por aqui investem em plataformas VoD (Globo Play, Sky On Demand, Net Now, por exemplo).

Apesar das opções, há poucas iniciativas dedicadas exclusivamente às produções regionais, assim como àquelas de menores orçamentos. Mas há empreendimentos empenhados em transformar esta realidade.

Snapcine: filmes nacionais on demand

No dia 15 de julho, foi lançado no Brasil a Snapcine, iniciativa do diretor da produtora cearense Casa dos Bits, Philipe Ribeiro, cujo objetivo é ampliar a distribuição de conteúdo audiovisual para além do circuito de festivais e da rede de exibição em salas de cinema, dando visibilidade aos filmes, documentários e séries produzidas em todas as regiões do país, tornando-os acessíveis às pessoas conectadas à Internet.

Philipe Ribeiro conversou comigo e contou um pouco mais sobre o projeto pioneiro no Brasil. Confira a entrevista:

Rack: Como surgiu a ideia do projeto?

Philipe: O Snapcine surge da necessidade de alcançarmos um público maior de nossas produções e de parceiros. Nossa empresa trabalha com desenvolvimento de soluções para internet há vinte anos e com produção de conteúdo audiovisual há mais de dez anos e, por isso, foi possível juntar as duas expertises e entregar um serviço inovador no concorrido mercado audiovisual, não tivemos nenhum investimento externo nem investidor-anjo, muito comum em startups.

Rack: Qual é a importância da Snapcine para o cinema nacional?

Philipe: Nossa contribuição ao cinema brasileiro é trazer para o mercado um serviço inovador que tem como foco exibir filmes e séries brasileiras de todas as épocas (temos filmes de 1920!), de todas as durações (curtas, médias, longas-metragens e séries) e de todas as estéticas e temas em um amplo acervo gratuito e lançamentos a preços populares.

 

“Um sonho é tornar possível que todo brasileiro(a), independente da origem e da condição social, tenha acesso a um conteúdo audiovisual nacional de qualidade e que esse acervo contribua para a formação crítica de cada um pois acreditamos que grandes filmes e pessoas motivadas podem mudar o mundo”. Philipe Ribeiro, idealizador do Snapcine.

 

Rack: A iniciativa pode diminuir a concentração das produções no sul e sudeste?

Philipe: A plataforma está fornecendo as condições técnicas necessárias para qualquer cineasta, de norte a sul do país, do interior e das capitais, enviar seus filmes e séries para análise e publicação. Tivemos, desde o lançamento, o cuidado de catalogar todo o acervo por estado, ou seja, estamos fortalecendo as cenas locais e propiciando aos usuários filmes que foram produzidos por seus conterrâneos – se identificando com as histórias – e, ainda, conhecer lugares dos quatro cantos do país por meio da fotografia das obras catalogadas.

Rack: Como a iniciativa pode contribuir com a formação dos estudantes e profissionais na área?

Philipe: Nosso acervo é composto por filmes e séries brasileiras de todas as durações, portanto, é um excelente lugar para experimentar estéticas e temas e fortalecer o network com profissionais da área, pois cada diretor(a) tem uma página dentro da plataforma com todos os filmes que dirigiu. Isso já é um excelente portfólio para futuros projetos.

Rack: O Netflix tem gerado incômodo entre entidades preocupadas com a lotação nas salas de cinema? Você concorda com este pensamento sobre este tipo de negócio? Sim ou não? Por que?

Philipe: A história recente nos prova que a abertura de uma janela não fecha outra. Esse incômodo foi anunciado com a entrada do VHS das locadoras de filmes, depois voltou com a chegada do DVD, retornando agora com o vídeo sob demanda. O mercado passa a incorporar uma nova tecnologia a partir do momento que ele vê o “incômodo” se transformar em oportunidade de negócio e, de preferência, com a manutenção das margens de lucro do mercado já consolidado. Assim foi com os blogs e e-books no mercado editorial, com os podcasts na radiodifusão e agora com o VOD no mercado audiovisual.

Rack: É possível que este tipo de iniciativa/negócio seja sustentável para toda cadeia de produção?

Philipe: Nosso acervo é majoritariamente composto por conteúdo gratuito monetizado por meio de publicidade com a metade do valor retornando ao realizador ou produtor. Já os lançamentos têm preços acessíveis: para séries inéditas, cada temporada custa R$ 3,99; já os filmes inéditos têm o valor de R$ 1,99. O valor de retorno ao realizador ou produtor é a metade do valor da locação. A partir do momento em que os produtores tem retorno financeiro em suas obras, mais filmes e séries podem ser produzidas e toda a cadeia produtiva é beneficiada com novas produções.

Gostou do projeto? Acesse: http://www.snapcine.com/

Até! 😉